quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Serenidade e firmeza

"Esta é a segunda vez em minha vida que pagarei com a prisão por cumprir meu papel no combate por uma sociedade mais justa e fraterna. Fui preso político durante a ditadura militar. Serei preso político de uma democracia sob pressão das elites." Zé Dirceu
                                                                 
Guardo a nítida impressão que Zé Dirceu é um osso duro. Estas condenações da Ação Penal 470, que a mídia golpista chama de "mensalão", só confirmam a tenacidade deste grande lutador do povo. Tem mostrado resistência diante do massacre difamatório e perspicácia para saber onde está o ponto fraco do inimigo, serenamente e sempre no momento oportuno vai revelando o julgamento político de que foram vítimas os quadros mais destacados do PT. 

Com estas prisões a esquerda sairá mais forte, graças a Dirceu, principalmente, pois ele saberá alertar com as lições dadas pelos fatos que as portas das mudanças por vias pacíficas estão fechadas. Não tenho dúvidas: a liderança de Dirceu se consolida e sairá mais forte com este martírio. Sua palavra será muito mais temida de agora por diante. Tem uma mensagem contundente para transmitir: hoje são eles, amanhã serão outros que irão para a cadeia por quererem mudar o Brasil.

Até agora Dirceu tem sido moderado em suas declarações, para não piorar sua situação diante dos carrascos do STF, mas quando não tiver mais nada a perder a coisa será outra, já sinaliza isso enfatizando a natureza política do julgamento. Estas prisões constituem mais um round da luta política em um cenário em que pela primeira vez no Brasil um partido de esquerda chegou ao poder. 

A direita que quer manter o país subalterno ao imperialismo americano e o povo em regime de semi-escravidão está usando seu aparato repressivo para reverter o que as urnas lhe tirou, o governo federal. Os petistas são presos políticos. O problema está no fato de muitos acreditam que este julgamento foi justo e conforme as leis. Terão que conhecer a verdade para libertar-se das teias da mentira.

Vejamos uma hipótese: por que não encarceram o ex-presidente Lula? Os argumentos para condenar Dirceu poderiam ser usados perfeitamente para encarcerar o ex-presidente: ele sabia, é impossível que não soubesse. Desta maneira, se quisessem o ex-presidente já estaria preso. Por que não usar contra ele também a interpretação deformada da teoria do domínio do fato?


Contudo, não devemos esquecer que os que tramaram as condenações não são tolos, intuem a comoção social que a prisão do ex-presidente Lula provocaria; o povo convocado para ir ás ruas em socorro do ex-presidente preso iria em massa ocupar as praças, o país seria convulsionado, a farsa das condenações cairia facilmente. Não prendem o ex-presidente porque seria um tiro no próprio pé, não têm força política para tanto.

Enfim, a luta política depende da compreensão da realidade do funcionamento da sociedade, desse modo a conjuntura política é grandemente uma realidade psicológica; a quem favorece depende da percepção que as pessoas tem dos fatos e não da realidade em si. Esta é a razão das condenações: é possível meter os petistas Dirceu, Genoíno e Delúbio na cadeia, a população acredita em suas culpas, até companheiros de valor inestimável como Cid Benjamim.

A luta política é a luta pela opinião pública, que neste momento precisa ser esclarecida para saber da verdade destas condenações políticas, sem amparo nos fatos ou no direito, um "tapa com mão de gato", pois só guardam a esfarrapada aparência de legalidade. 


Quando a opinião pública souber desta verdade a conjuntura será outra, a luta será mais dura pois a percepção será límpida destas condenações políticas e do recado que trazem: as transformações por via pacífica estão fechadas, quem ousar chegar ao poder e dispor os recursos públicos para melhorar a vida da população alargando seus horizontes estará abrindo comportas que a classe dominante quer ver cerradas, bem cerradas, nem que tenha que meter inocentes na cadeia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário