sábado, 23 de agosto de 2014

QUAIS SÃO AS IDEIAS DE MARINA SILVA?

            

 
Marina Silva como todos sabem participou do PT desde sua fundação até sair do partido para ser candidata a Presidenta da República em 2010 pelo PV.

Marina mudou de partido, mudou de ideias e mudou de lado. Vejamos os fatos: o que é que o PV tem de melhor que o PT? Nada, absolutamente nada. O PV – Partido Verde - é um partido conhecido por sua falta de ideologia, de princípios e de programa mas também por seu fisiologismo. É até mais fisiologista que o DEMOS; seu lema é: "Tem cargos, estou lá."

Em termos ideológicos Marina era católica ligada à Teologia da Libertação e hoje é evangélica. É visível o retrocesso ideológico constatadas as posições da bancada evangélica afinada com a extrema direita dos EUA - a matriz das doutrinas evangélicas do Brasil -, repetindo a mesma pregação contra os DIREITOS HUMANOS, que de tão obscurantista lembra a Idade Média: é contra o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo resvalando em certos momentos para a homofobia; é contra as pesquisas com células tronco; opõe-se até que se discuta a legalização das drogas bem como igual interdição aplica à legalização do aborto.

Mesmo com esta guinada política e ideológica Marina tem adeptos entre conhecidos cidadãos que se autodenominam de esquerda. Mas como é sabido, um indivíduo não é de esquerda porque se diga de esquerda pois isto depende da posição no espectro político e das alianças táticas e tácitas que existem sempre entre os extremos da esquerda e da direita.

Marina tem outro problema que não pode passar despercebido para quem queira entender de que lado ela está no espectro político: qual o partido e em que nicho este partido recruta seus políticos e formuladores. Para melhor se conhecer quem são os consultores e formuladores do partido de Marina vale a pena ler o texto de Rovai neste link http://www.revistaforum.com.br/blogdorovai/2014/08/21/quem-e-quem-nucleo-duro-de-marina-silva/

O partido de Marina não é o PSB como todos sabem, mas um partido que tem o nome de REDE DE SUSTENTABILIDADE, que não tem registro no TSE por falta de adesão de eleitores em número suficiente para satisfazer as exigências da legislação eleitoral.

Em termos ideológicos é perceptível que a REDE DE SUSTENTABILIDADE tem a mesma ideologia do PV, ou seja, é mais um partido de direita, mais uma legenda de aluguel, só que sob medida para Marina. Sem políticos o destino da sigla de Marina será o de todas as outras siglas que se aproximaram do consórcio demo-tucano, será apenas uma longa manus da direita antipetista.

Com um partido desta natureza, sem políticos, visivelmente conservador, é possível vislumbrar o que seria um governo comandado por Marina Silva: a realização da agenda oculta da direita, com cortes nos gastos com os programas sociais, desemprego e elevação dos juros, sob a alegação de combate à inflação, para satisfazer os bancos e os rentistas.

Enfim, um governo com Marina na Presidência seria um grande retrocesso nas políticas sociais e com a bancada evangélica agindo sem rodeios contra os direitos individuais, os tão fragilizados DIREITOS HUMANOS.

Uma das coisas mais difíceis no aprendizado em política é armar-se de algum realismo. Por exemplo, entender e aceitar que seja qual for o governo ele não poderá tudo, não poderá construir o paraíso na terra; outra coisa, ninguém inventa dinheiro, nem a Casa da Moeda, daí existirem limitações orçamentárias. Só é possível dispor de mais dinheiro no orçamento público se houver justiça tributária, os mais ricos pagarem mais, e aí está o nó, ricos odeiam pagar impostos, sonegar é o "esporte" preferido desta gente. Tributar ricos significa mais poder no outro lado da balança.

Amadores em política desarmados de qualquer realismo também não entendem que não basta ganhar a eleição para Presidente, para realizar um programa de governo é preciso ter maioria no Congresso Nacional. Será preciso em termos realistas construir uma maioria negociando com outros partidos.

Teorizam como tática os defensores de Marina que esta, se eleita, fará um apelo direto ao povo para coagir o Congresso Nacional a votar as MP's (Medidas Provisórias), PL's (Projetos de Leis) e PEC's (Propostas de Emenda Constitucional) do interesse do hipotético governo. Estes caras desconhecem a história do Brasil. Não sabem que quem colidir com o Congresso Nacional ao apelar diretamente para o povo incitando-o a colocar de joelhos o poder que melhor representa o próprio povo e a democracia terá o mesmo destino de Jânio Quadros, de Collor de Mello e incidirá em um erro que ajudou a fragilizar o governo de Jango, além de ficar internacionalmente mal na fita.

Foram amadores deste naipe que ajudaram na deposição de Jango pelos golpistas em 1964 ao o induzirem no uso desta tática visivelmente fadada ao fracasso e com sérias consequências. 


Desarmados do mínimo realismo, esquerdistas já adentrados em anos se auto-iludem com Marina e servem sem querer aos inimigos ao passarem os pés pelas mãos com suas mirabolantes táticas. Foi gente assim, sem a mínima instrução política que fazia Salvador Allende na grande conquista que foi a eleição de um socialista no Chile dos anos 70 parecer de centro.

Um comentário:

  1. Luiz, no essencial concordo com as ideias defendidas no artigo.

    ResponderExcluir